O que você tem que saber sobre CSS3

Muitos de vocês provavelmente já perceberam toda a agitação em torno do CSS3, mas exatamente quais técnicas podemos usar hoje?

Neste artigo, vou mostrar algumas técnicas diferentes CSS3, que alguns dos principais navegadores (mais especificamente Firefox, Chrome, Safari e Opera) já suportam. Com isso ficará evidente a degradação do layout pela falta de suporte dos outros browsers (como por exemplo o Internet Explorer). Usando as extensões específicas disponíveis para cada navegador, muitos dos estilos que estão sendo especificados no CSS3 já podem ser usados hoje!

CSS Vendor Extensions

O CSS permite que os desenvolvedores de navegadores criem implementações proprietárias para os mais variados estilos CSS. Isso permite ao distribuidor do navegador realize implementações próprias para determinada propriedade CSS, mesmo que já padronizado ou especificado, o que não é tão comum nem tão recomendado. Para utilizar no CSS, a propriedade que deseja utilizar para determinado(s) navegador(es) deve ser precedida de um prefixo. Esse prefixo indicará que se trata de uma extensão que somente aquele navegador interpretará.

Alguns browsers com seus prefixos (CSS Proprietary Extensions Scheme):

  • Firefox : -moz-
  • Safari: -webkit-
  • Chrome: -webkit-
  • Opera: -o-
  • IE: -ms-

A grande vantagem das extensões é que os navegadores podem ir implementando as novas propriedades, como no caso do CSS3. Propriedades essas que já estão previstas, porém não especificadas. Isso certamente acelera a evolução dos navegadores em relação ao suporte às novas propriedades; Prepara os “CSS coders” para a nova forma de trabalhar; e contribui para a especificação oficial do CSS propriamente dita.
Clique se quiser saber mais sobre (CSS Proprietary Extensions Scheme);

Como você deve ter percebido, uma grande desvantagem de usar essas extensões é o fato de que acabamos tendo que repetir as propriedades para que funcione em todos os navegadores. É isso ou procurar soluções com javascript, folhas de estilos alternativas entre outras “viagens” para que a manutenção do código continue simples onerando o mínimo de recursos. Tudo bem, não basta falar, vamos mergulhar na direito no CSS3! Nota: os estilos sem um prefixo é a proposta da especificação atual W3C.

Deixe sua resposta